Quarentena esvazia centros de comércios e pontos turísticos no Vale do Paraíba

Vale do Paraíba e região bragantina registraram, até esta quinta-feira (26), 17 casos confirmados do coronavírus.

O isolamento social adotado para tentar conter o contágio do coronavírus (Covid-19) esvaziou pontos de movimentação intensa na região.

Dos calçadões comerciais de São José dos Campos até as praias do litoral norte houve uma queda drástica no movimento. MAPA DO CORONAVÍRUS: as cidades com infectados e o avanço dos casos Saiba tudo sobre o novo Coronavírus Veja as principais notícias sobre o coronavírus na região Até a última quarta-feira (25), o Vale do Paraíba e região bragantina haviam registrado 17 casos confirmados do coronavírus.

Também há cinco mortes suspeitas, que aguardam exames. Calçadão vazio Com decreto para que apenas os serviços essenciais continuem funcionando, os principais pontos de comércio se tornaram em ruas desertas.

No calçadão de São José dos Campos, por exemplo, todas as lojas estão fechadas.

O exemplo se repete nos principais calçadões das cidades do Vale do Paraíba.

Lembrando que a aglomeração de pessoas é algo a ser evitado para que não haja a proliferação do coronavírus. Calçadão de São José dos Campos vazio nesta quarta-feira Reprodução/TV Vanguarda Vida noturna Os decretos que visam limitar ao máximo o convívio social entre pessoas também proíbem o consumo em bares e restaurantes.

Com isso, os locais que viviam movimentados, principalmente, à noite, ficaram vazios.

Eles não foram obrigados a fechar, ainda podem fazer delivery. Com isso, mesmo que restaurantes, cafés e bares continuem funcionando, o movimento de pessoas é extremamente restrito.

A Avenida Itália, em Taubaté, por exemplo, é o ponto mais movimentado da vida noturna taubateana, e na última quarta-feira (25) tinha poucas pessoas.

Avenida Itália, em Taubaté, vazia devido à quarentena nesta quarta-feira Filipe Rodrigues/G1 Pontos turísticos Após decisão judicial, o Santuário Nacional de Aparecida deixou de celebrar missas e suspendeu atividades em espaços confinados.

O maior templo mariano do mundo recebeu 12,8 milhões de fiéis e turistas em 2018.

Mas desde o início da pandemia viu seu movimento cair consideravelmente. Embora a maioria das atividades tenha sido suspensa, o Santuário segue aberto por orientação da Arquidiocese de Aparecida.

Altar central do Santuário Nacional de Aparecida após pandemia de coronavírus no último domingo Arthur Costa/TV Vanguarda Além do turismo religioso, o convencional também foi afetado.

Campos do Jordão, por exemplo, decretou estado de emergência e determinou a suspensão do funcionamento de hotéis, pousadas, restaurantes e pontos turísticos por 30 dias.

Apenas serviços essenciais devem seguir em atividade. No último sábado (21), os restaurantes já estavam fechados e o cenário no Capivari, um dos pontos preferidos dos turistas na cidade, era de ruas vazias. Ruas do Capivari ficam vazias após medidas de prevenção contra coronavírus em Campos do Jordão no último sábado Arthur Costa/TV Vanguarda Praias No início da pandemia, houve turistas que aproveitaram o afastamento do trabalho para ir à praia.

Conforme os casos foram se alastrando, e os quiosques foram fechados por determinação do poder público, o número de pessoas foi reduzindo.

Na última quarta-feira (25) a Praia Grande, a mais movimentada de Ubatuba estava deserta. Praia Grande, em Ubatuba, vazia na quarta-feira (25) João Mota Initial plugin text
Categoria:SP - Vale do Paraíba e região