Líderes religiosos comentam decreto de Bolsonaro que torna atividades religiosas essenciais em meio ao coronavírus

Texto estabelece que permanência dessas atividades deverá obedecer determinações do Ministério da Saúde.

Líderes religiosos comentaram nesta quinta-feira (26) o decreto do presidente Jair Bolsonaro que inclui na lista de atividades e serviços essenciais durante a pandemia do novo coronavírus as que são de fim religioso.

Na prática, a medida pode viabilizar que ocorram, por exemplo, missas e cultos. O texto estabelece, no entanto, que a permanência dessas atividades deverá obedecer as "determinações do Ministério da Saúde". Bolsonaro assina decreto considerando essenciais atividades religiosas e casas lotéricas Veja o que disseram os líderes religiosos: Pastor Henrique Vieira, da Igreja Batista do Caminho no Rio de Janeiro “Como pastor, sei que os cultos fazem falta, sinto saudade nesse momento.

Cada religião tem seu espaço de encontro, que é muito precioso para a vida das pessoas.

Contudo, a fé precisa ser zelosa, responsável e mediada pelo amor.

É uma atitude de bom senso e de amor evitar encontros coletivos nesse momento, pois isso pode salvar vidas.

O essencial é preservar a vida das pessoas.

Portanto, considero esta medida do presidente irresponsável e inconsequente, marcada por certa hipocrisia.

No contexto do livro do Êxodo [Bíblia], diante das pragas que acometiam o povo, Deus pediu que as pessoas ficassem em casa.

No Novo Testamento, José e Maria tiveram que se esconder para preservar o menino Jesus da violência do Estado.

E na carta de Paulo aos Coríntios se fala na importância da fé, da esperança e do amor.

O texto bíblico, no entanto, afirma categoricamente que o mais importante é o amor.

Enfim, amar é cuidar da vida e do próximo.

Evitar aglomerações, encontros coletivos é uma atitude de amor, de fé consciente.

O presidente do Brasil, ao longo de toda sua vida política, demonstra nenhuma compaixão e sensibilidade.

Sinto falta de estar com minha Igreja, mas é uma atitude de amor orar por meus irmãos em minha casa e é bom saber que estão orando por mim.

O presidente demonstra uma religiosidade vazia, hipócrita e sem amor, além de não ter noção de Democracia e Estado laico.

Lamentável.

Esse decreto tem mais a ver com interesses de poder do que com religião.” Michel Schlesinger, rabino da Congregação Israelita Paulista e representante da Confederação Israelita do Brasil para o diálogo inter-religioso “Nossa decisão é de seguir o que foi orientado pelo governo do estado [de São Paulo] e pela prefeitura [de São Paulo] desde que pediram para interromper os serviços.

[...] A partir das decisões, interrompemos os nossos serviços presenciais.

Hoje, não tem nenhum culto aberto, por questão de segurança, e compreendemos que é o que deve ser feito.

Descobrimos que a plataforma digital pode ser uma ferramenta muito poderosa.

A gente já tinha a experiência de transmitir aulas e cursos [online], mas nunca tínhamos feito uma oração virtual.

Em função da necessidade, da pandemia do coronavírus, migramos os nossos serviços religiosos para o virtual.

A resposta tem sido incrivelmente positiva.

Estamos atingindo pessoas que não atingíamos presencialmente porque moram longe, não podiam sair de casa, não tinha uma sinagoga perto para ir.

Então estamos conseguindo um alcance extraordinário.

Não significa que não temos saudade do contato pessoal.

Faz falta o beijo, o abraço, o aperto de mão.

Mas o momento é de resguardo, e vamos permanecer seguindo as orientações do governo municipal e estadual de suspender os serviços presenciais.

Entendemos que estamos em quarentena e nos unimos aos demais cidadãos, que estão pagando um preço altíssimo de não poder realizar suas atividades econômicas, culturais.

Sentimos que temos que estar conectados.

E estar conectado significa se resguardar e abrir mão temporariamente de um serviço presencial e, ao mesmo tempo, fortalecer a presença digital.”
Categoria:Política